COMO CONSERVAR SUAS FLORES

As flores comercializadas na Agapanthus Floricultura têm procedência legal e vêm dos melhores produtores nacionais e estrangeiros. Geralmente são cultivadas em estufa, seguindo leis específicas para plantio, utilização do solo e preservação do meio ambiente, com a finalidade de ornamentar ou adornar ambientes internos. Abaixo damos algumas dicas relevantes para que sua planta permaneça bonita e saudável por um período mais longo. Não compre plantas ou flores em estabelecimentos sem registro ou nota fiscal. É comum, a venda destes produtos sem fiscalização, extraídos da natureza de maneira irregular. Extrativismo não autorizado é crime.

 

 

ÍNDICE


ARRANJO FLORAL
BAMBU DA SORTE – “LUCKY BAMBOO”
BONSAI
BROMÉLIA
BUQUÊ E RAMALHETE
CACTO
FLOR PLANTADA
ORQUÍDEA PHALAENOPSIS
ORQUÍDEA CYMBIDIUM
POINSÉTIA
TUIA
VIOLETA
ZAMIOCULCAS


 

 

 

ARRANJO FLORAL


Manutenção: Molhar diariamente o arranjo diretamente na base de espuma floral. Despejar a água lentamente, aguardando que a espuma absorva a água por completo. Não aspergir água sobre as flores.

 

Luz: Manter suas flores em local fresco e iluminado. Não expor o arranjo diretamente ao sol.

Limpeza : Com o passar do tempo algumas flores e folhas murcharão, retire-as com o auxilio de uma tesoura.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

Cuidados no verão: Molhar o arranjo uma a duas vezes por dia.
Manter a planta sempre hidratada, distante do sol, ambiente ou superfície quente.


Retornar ao Índice

 

 

BROMÉLIA


A Bromélia é uma planta epífita, apóia-se nas árvores para receber mais luz e ventilação, mas não retira os nutrientes delas. Na natureza, a Bromélia depende da chuva e do orvalho forte para obter água.

Rega: Borrifar água nas folhas 1 a 2 vezes por semana. Evitar acúmulo de água no centro (copo) da flor.

Limpeza: Fazer a limpeza frequente das plantas, retirando folhas e flores secas e / ou doentes, com o auxílio de uma tesoura afiada.

Luz: Manter sua planta em local fresco e bem iluminado , evite exposição direta ao sol. Esta planta gosta de sombra.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

 

Retornar ao Índice

 

 

BAMBU DA SORTE – “LUCKY BAMBOO”

Os caules do Lucky Bamboo têm formas variadas. Podem ser retos, espiralados, em forma de S, proporcionando versatilidade e originalidade aos arranjos.

Informações: Cultivado artesanalmente há séculos pelos tailandeses, esta planta conhecida como Bambu da Sorte, é na verdade uma Dracena sanderiana.

Simbologia: Para os asiáticos, simboliza harmonia, prosperidade, sorte e fortuna, além de revitalizar as energias do ambiente.
Ideal para ambientes internos ou fechados, sem luz direta do sol, pode durar anos seguindo os cuidados mínimos aqui indicados.

Conservação: Manter em água, ou terra úmida. Fazer limpeza frequente, retirando folhas amareladas. Se necessário, podar utilizando estilete ou tesoura de poda.
O nível de água deve estar no máximo a 5 cm de altura das raízes.
Trocar a água uma vez por semana.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

 

Retornar ao Índice

 

 

BONSAI

Informações gerais: A tradução literal da palavra bonsai, que é de origem japonesa, é “plantado na bandeja”.
Bonsai é a arte que consiste em manter uma planta por tempo indeterminado em um pequeno recipiente (vaso), controlando seu crescimento e forçando-a a crescer de maneira mais lenta e com o formato desejado; formato este que deve aparentar o mais próximo possível uma árvore perfeita na natureza (mini árvore). Bonsai é uma terapia, um hobby, um desafio, uma escultura viva! Uma ótima opção para presente!
Os bonsais podem ser de árvores, arbustos, cedros, flores, frutíferas, trepadeiras, desde que formem troncos (madeira lenhosa). Para que seu bonsai continue uma miniatura bonita e saudável por muitos anos, ele necessitará dos seguintes cuidados:


Luz: As plantas usadas para bonsai são, na sua grande maioria, plantas de exterior e por isso necessitam de luz intensa e natural para sobreviverem. Há plantas que sobrevivem bem dentro de uma casa, perto de uma janela, mas certamente, tanto a planta como suas folhas crescem mais rápido quando estão num local ventilado e sem cobertura, fora de casa. Além de crescerem aceleradamente estragando o seu bonsai, as plantas mantidas dentro de casa permanecem úmidas por muito mais tempo, ocorrendo assim o apodrecimento de suas raízes. Portanto, o local ideal para o bonsai é em local aberto onde a planta recebe luz e vento de todos os lados. Em locais semi cobertos, gire o vaso para que pegue luz em todos os lados. Muito cuidado há que se ter com o horário e a quantidade de sol direto que o bonsai deve receber. Lembramos que o sol direto sem proteção nos horários entre 10:00 h e 4:00 h pode ser fatal para o bonsai. Portanto, encontre um local em que seu bonsai possa ficar mais á sombra nos horários de sol intenso. No verão, o sol da tarde é muito forte e prejudicial para a maioria das plantas cultivadas em vasos. Nesta estação evite deixar o bonsai exposto ao sol forte ou cubra-o com tela de sombrite 50% (são vendidas em casa de produtos agropecuários), isto para as plantas em locais que ficam expostas ao sol direto o dia todo. A falta de luz natural (que não é o sol direto necessariamente), a queima pelo sol forte direto e a permanência do bonsai em locais fechados e abafados estão entre as principais causas de morte de bonsais.


Rega: Ao regar a planta, deve-se molhar toda a área do vaso proporcionalmente. Utilize um regador de chuveirinho ou mangueira de esguicho fino. Regue com intervalos de alguns segundos para que a água possa penetrar até o fundo do vaso. No verão o bonsai deve ser molhado obrigatoriamente uma a duas vezes por dia e no inverno pode-se espaçar mais (de 2 em 2 dias). Ao regar, certifique-se que a água penetrou e vazou pelo orifício de drenagem. Em casos de viagens curtas (até uma semana), você pode deixar o bonsai dentro de uma bacia com água até a metade da altura do vaso até o retorno, evitando-se assim as regas diárias. Lembre-se quanto menor e mais raso o vaso do bonsai, mais regas por dia deverão ser feitas. Se houver falta de água por um longo período, mergulhe o bonsai em água por cerca de 5 min. Se tiver dificuldade nas regas devido ao endurecimento exagerado da terra do vaso, faça pequenos furos na superfície da terra para a água penetrar melhor. A falta de água é a principal causa de morte dos bonsais, portanto não economize água nas regas!


Ventilação: Uma boa ventilação seca rapidamente o solo, ajudando a controlar, indiretamente, o crescimento acelerado do bonsai, além de proteger a planta de certas pragas, como ácaros e fungos. Portanto, mantenha o seu bonsai a maior parte do tempo ao ar livre!


Limpeza: Uma vez por mês, retire com as mãos as folhas mortas e secas de dentro do bonsai, e com uma tesoura faça a poda e elimine os ramos secos. Em seguida, para retirar todo o pó, sujeira e ácaros, lave com um esguicho de água.

Adubação: A maneira mais fácil e prática de fornecer nutrientes para seu bonsai é utilizar adubos líquidos npk que contenham todos os nutrientes essenciais (N, P, K, mais nutrientes), na metade da dosagem proposta pelo fabricante e através das regas. EX. BIOFERT PLUS - dilua 2,5 ml em 1 litro de água e regue a cada 15 dias na primavera e outono, cada 20 dias no verão e cada 40 dias no inverno.


Pragas e doenças: Sugerimos que tenha em casa o inseticida DIMY PRONTO Spray e o fungicida CUPRODIMY. Pulverize a planta com estes produtos após efetuar a limpeza.


Poda, pinçagem e aramagem: Para manter a forma original do seu bonsai, procure pinçar com os dedos o excesso de brotações dos ramos (pinçagem), várias vezes ao ano. Uma vez por ano, no final do inverno ou início da primavera, você pode podar os galhos para diminuir o tamanho do bonsai ou modificar o seu formato (poda). Você pode ainda conduzir os galhos do seu BONSAI com arames. Para isso, enrole o arame, entorte os galhos e mantenha-o preso por 5 meses.


Replantio: Uma vez por ano, o BONSAI deve ser retirado do vaso no final do inverno ou início da primavera. Após isso, utilizando-se de um garfo, desmanche a metade do torrão e pode com uma tesoura afiada cerca de 30% a 50% das raízes. Em seguida plante-o novamente da seguinte maneira: lave bem o vaso antigo ou escolha um vaso novo; coloque um pedaço de tela no orifício de drenagem e uma pequena camada de areia grossa ou pedriscos; no caso de cedros e pinheiros plante com uma mistura de 40% de areia grossa + 60% de terra preta com um pouco de húmus; para bonsais de arbustos, frutíferas e floríferas, plante com uma mistura de 20% a 30% de areia e 80% a 70% de terra preta com húmus; regue bem mantenha à sombra por 1 mês.


Seguindo esses cuidados, você terá um lindo bonsai para a vida toda! Boa sorte com seu bonsai!

Fonte: BELVEDERE PLANTAS

 

Retornar ao Índice

 

 

BUQUÊ E RAMALHETE


Buquê Agapanthus(colocar o ícone da marca registrada)

 

Exclusividade: O buquê Agapanthus (colocar o ícone da marca registrada) vem com uma base de água , conservantes e nutrientes em sua base proporcionando maior durabilidade de suas flores. O buquê Agapanthus (colocar o ícone da marca registrada) fica em pé, não precisa ser colocado em vaso.

Conservação: Se o volume de água da bolsa diminuir, completar o nível de água, derramando a água lentamente no centro do buquê . Não borrifar água sobre as flores.

Luz: Mantenha suas flores em local fresco e iluminado , não exponha o arranjo diretamente ao sol.

Limpeza : Com o passar do tempo algumas flores e folhas murcharão, retire as com o auxilio de uma tesoura.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

Buquê Tradicional e Ramalhete

Cuidados Iniciais: Ao receber as flores, fazer um corte em diagonal na extremidade da haste, de aproximadamente 2 cm , utilizando uma faca ou tesoura afiada, de preferência sob a superfície da água num recipiente adequado, para evitar a formação de bolhas de ar que dificultam a hidratação das flores e plantas.

Limpeza : Retirar as folhas que ficarão submersas na água para evitar proliferação de bactérias. Com o passar do tempo algumas flores e folhas murcharão, retire-as com o auxílio de uma tesoura.

Manutenção: Substituir a água do vaso a cada 2 dias; lavar o vaso a cada troca de água. Corte a haste conforme descrito em “Cuidados iniciais”. Não aspergir água sobre as flores.

Luz: Manter suas flores em local fresco e bem iluminado , não expor as flores diretamente ao sol.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

 

Retornar ao Índice

 

 

CACTO


Origem: Regiões áridas das Américas.

 

O Cacto é conhecido também como símbolo da Esperança e Vida.


Conservação: Acostumado a condições climáticas rigorosas, ele pede pouca água e um mínimo de adubo para plantas verdes, conforme indicação do fabricante de adubos.
Regar a cada 15 dias. Molhar bem o substrato e deixar o excesso de água escorrer.
Não permitir o acúmulo de água na raiz ou no vaso.


Mini cacto: Plantado em potes de até 6 cm. Regar a cada 15 dias. Usar como medida a tampa de uma caneta Bic. Uma medida de água para cada planta de cacto. Colocar água no substrato. Deixar o excesso escorrer através do pote. Não deixar água acumulada no fundo do vaso.

Luz: Manter o cacto em local de boa luminosidade natural, sol e boa ventilação. Evitar ambientes úmidos como cozinha e banheiro.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

 

Retornar ao Índice

 

 

FLOR PLANTADA


Rega: A quantidade de água que cada planta necessita é variável .O ideal é molhar sempre quando a terra estiver seca.
Para verificar se a terra, ou substrato, está seco ou úmido, utilize a ponta dos dedos.
Em geral , molhar duas a três vezes por semana, com pouca água de cada vez, com o auxílio de um regador ou borrifador de água.

Importante: Aspergir a água, deixando o excesso de líquido escorrer, evitando acúmulo de água no fundo do vaso ou na raiz da planta.

Limpeza: Fazer a limpeza frequente das plantas, retirando folhas e flores secas e / ou doentes, com o auxílio de uma tesoura afiada.

Luz: Manter sua planta em local fresco e bem iluminado. Evitar exposição direta ao sol.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena.

 

Retornar ao Índice

 

 

ORQUÍEA PHALAENOPSIS


 

Origem: Indonésia e Filipinas, e como orquídea tropical prefere temperaturas entre 18 e
28 graus. Evite expor sua Phalaenópsis a geadas e ventos frios.


Histórico: A Phalaenopsis é uma planta epifhyta (epi = em cima + Phyta = planta). Neste caso, ela usa suas raízes grossas para segurar-se às cascas das árvores. As epiphytas são plantas que se desenvolvem sobre outra planta, usando-a como apoio. Não são parasitas. Podemos observar que quando plantada no tronco das árvores, suas raízes crescem para todos os lados. Por esta razão é que parte das raízes da Phalaenopsis cultivada em vaso está sempre para fora.


Rega: A rega deve ser feita a cada 15 dias quando o vaso está bem leve. Depois de regar, retire o excesso de água para que as raízes não fiquem danificadas ou até mesmo venham a apodrecer.

Adubação: É recomendado adubar uma vez por mês, com adubo específico, conforme instrução do fabricante.


Luz: Colocar sua planta em local bem iluminado e bem ventilado, de preferência onde a planta possa receber o sol da manhã. Quando a planta está sem flores, é preferível deixá-la na área ou no jardim num lugar bem protegido do sol do meio-dia. Por exemplo: debaixo de uma árvore.


Florada: Quando as flores murcharem, corte a haste deixando 20 cm na planta: pode sair outro cacho de flores na haste, ainda no mesmo ano. Também pode sair da planta, outra haste no próximo ano. Em seu habitat natural a Phalaenopsis floresce após a época do frio, quando é formado o botão. É por isto que o pico de florescimento ocorre no início da primavera.

Cuidados Especiais: Evitar locais com ar condicionado e exposição à lâmpada dicróica ou halógena.

 

Retornar ao Índice

 

 

ORQUÍDEA CYMBIDIUM


Informações gerais: A maioria das orquídeas cymbidium se adapta melhor em regiões de clima frio.

Rega: A rega deve ser feita quando o substrato estiver seco. Em ambiente interno se possível, borrifar água nas folhas diariamente. Não molhar as flores. Não deixar acumular água no fundo do vaso.

Adubação: Quando a planta começa a brotar é recomendado adubar uma vez por mês, com adubo orgânico.

Luz: Colocar sua Orquídea em local bem iluminado e bem ventilado, de preferência onde a planta possa receber o sol da manhã. Quando a planta está sem flores, é preferível deixá-la na área ou no jardim num lugar protegido do sol do meio-dia. Por exemplo: debaixo de uma árvore.

Floração: Algumas florescem no outono, mas a maioria dá flores no inverno e primavera.

Cuidados Especiais: Evitar locais com ar condicionado e exposição à lâmpada dicróica ou halógena.

 

Retornar ao Índice

 

 

POINSÉTIA


A flor Poinsétia, também é conhecida por outros nomes: bico-de-papagaio, euphorbia, flor-do-divino, rabo-de-arara, flor do espírito-santo, flor do natal, cardeal ou estrela-do-natal. Originária do México. Seu nome científico é Euphorbia pulcherrima, que significa “a mais bela”.
Perigo: A seiva leitosa da planta, constituída por um tipo de látex irritante, em contato com a pele e mucosas provoca inflamações, dor e comichão, podendo causar também irritação nos olhos, lacrimejamento, inchaço das pálpebras e dificuldades na visão. A sua ingestão pode causar náuseas, vômitos e diarréia. Estudos nos EUA, indicam que só após a ingestão de grandes quantidades, mais de algumas centenas das suas folhas, é que a vida de alguém pode correr risco.


Rega: A quantidade de água que cada planta necessita é variável. O ideal é molhar sempre quando a terra estiver seca.
Para verificar se a terra, ou substrato, está seco ou úmido, utilize a ponta dos dedos.
Em geral , molhar duas a três vezes por semana, com pouca água de cada vez, com o auxílio de um regador ou borrifador de água.


Importante: Aspergir a água, deixando o excesso de líquido escorrer, evitando acúmulo de água no fundo do vaso ou na raiz da planta.


Limpeza: Fazer a limpeza frequente das plantas, retirando folhas e flores secas e / ou doentes, com o auxílio de uma tesoura afiada.

Luz: Manter sua planta em local fresco e bem iluminado. Evitar exposição direta ao sol.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena.

 

Retornar ao Índice

 

 

TUIA


Manutenção: A Tuia precisa de 2 horas de sol direto, preferencialmente, pela manhã. A terra deve estar sempre úmida. Se a planta estiver em vaso, regar todos os dias.

 

Como regar: Colocar água no substrato. Deixar o excesso escorrer através do pote. Não deixar água acumulada no fundo do vaso. Fazer as regas sempre nas primeiras horas da manhã.

Limpeza : Fazer limpeza frequente, retirando galhos velhos e secos. Se necessário, podar utilizando estilete ou tesoura de poda.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

 

Retornar ao Índice

 

 

VIOLETA


Histórico: Descoberta em 1892 pelo pesquisador e barão alemão Walter Von Saint Paul, nas montanhas do nordeste da Tanzânia, a violeta-africana é hoje muito cultivada no Brasil. Os inúmeros processos de hibridação, realizados ao longo dos anos, resultaram em 18 espécies com cerca de 6 mil variedades!


Rega: O maior cuidado que se deve ter é evitar molhar as folhas da violeta, pois elas podem apodrecer com a umidade. Se optar por fazer a rega por baixo, ou seja, colocando água apenas no pratinho, lembre-se de pelo menos uma vez por mês, fazer uma rega por cima para diminuir concentração de sais minerais no solo. Outro cuidado: as violetas detestam água clorada, portanto, para eliminar o cloro, ferva a água e deixe-a esfriar bem antes de usá-la na rega. Não deixe acumular água no fundo do vaso.


Luz: A violeta africana precisa de muita luminosidade, mas não suporta sol direto. A luz solar filtrada pelo vidro de uma janela, por exemplo, e temperaturas em torno de 25 graus C formam o ambiente ideal para a planta. Se for colocar o vaso no parapeito da janela, uma boa dica para garantir o crescimento simétrico da violeta é ir virando o vaso, semanalmente, obedecendo sempre o mesmo sentido.


Adubação: Existem fertilizantes químicos (com fórmula NPK) específicos para as violetas, encontrados nas lojas especializadas em produtos para jardinagem. É recomendável, porém, variar essa adubação periodicamente, alternando com algum fertilizante orgânico, como farinha de ossos e húmus, para garantir uma floração abundante e sadia.


Limpeza: Faça a limpeza freqüente das violetas retirando folhas e flores secas e / ou doentes, com o auxílio de uma tesoura.

Cuidados especiais: Se possível, evite locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena.

 

Retornar ao Índice

 


ZAMIOCULCAS


Originária da Tanzânia, na África, esta plana tem como características a qualidade, durabilidade e resistência. Suas folhas verdes e brilhantes nascem claras e escurecem com o tempo.
A Zamioculcas garante beleza e naturalidade e se adapta perfeitamente a ambientes internos, com pouca luz natural.

Rega: Colocar pouca água no substrato, duas vezes por semana. Evitar o acúmulo de água.

Limpeza: Fazer a limpeza frequente das plantas, retirando folhas e flores secas e/ou doentes, com o auxílio de uma tesoura afiada.

Luz: Ambiente interno com pouca luz, temperatura acima de 25 graus. Não expor direto ao sol para não queimar as folhas. Esta planta gosta de sombra.

Cuidados especiais: Se possível , evitar locais com ar condicionado e exposição próxima à lâmpada dicróica ou halógena .

 

Retornar ao Índice

 

VOLTAR